Apaixonada por tudo que envolve aleitamento materno, foi através da dor que aprendi a amar e principalmente a me aceitar dentro de uma maternidade que ninguém me contou sobre ela.
Casada e mãe de duas meninas que me ensinaram que amamentar é um ato aprendido e que a maternidade não é tão simples e nem tão acolhedora como desejamos, mas com certeza a melhor coisa que podia ter me acontecido.
A maternidade é um lado triste que quase ninguém se atreve falar, é um momento tão solitário que muitas mulheres decidem se calar por que acham que ninguém mais passou por isso, e é exatamente isso que assusta, esse desconhecido que causa medo e insegurança, afetando muitas vezes em todo o período perinatal. Quer seja na concepção, na gravidez, no puerpério ou amamentação, são raras as vezes que essa mulher recebe apoio, são raras as vezes que ela não recebe um tapinha nas costas e ouve: “podia ser pior”. Isso anula nela a capacidade de externar suas necessidades, suas frustrações e até mesmo seu bem estar em relação a uma fase que tinha tudo para ser leve e natural.
Falta apoio a mulher em todos os seus estágios, falta cuidado e acolhimento principalmente durante a amamentação, por que ainda se entende que nascemos sabendo amamentar e que mitos como leite fraco ainda permeiam nossa sociedade, é preciso cuidar dessa mãe, é preciso entender que ela precisa de atenção e que amamentar antes de tudo é está bem consigo mesmo e saber que receberá o apoio necessário tanto da família quanto da sociedade.
O Mãe de Leite é um espaço feito de Mãe para Mãe, que tem como principal objetivo: fornecer incentivo à amamentação; informação de qualidade; apoio; empoderamento; aconselhamento materno no que diz respeito às mulheres no coletivo.
Foi com esse projeto que venci meu maior fantasma: a culpa de não ter amamentado. E também onde aprendi a me perdoar por não ter tido apoio e informação certa quando mais precisei. Foi com o Mãe de Leite que aprendi a ver que assim como eu, havia milhares de mulheres passando pela mesma fragilidade que eu passei, pela mesma pressão psicológica da família para se render à fórmula como único caminho e ver também como nós mulheres somos solitárias no puerpério.
Idealizadora, criadora e presidente do Projeto Mãe de Leite. Conselheira em Aleitamento Materno pelo IBFAN Portugal. Código Internacional de Marketing de Substitutos do Leite Materno pelo IBFAN Portugal. Aleitamento Materno pelo Hospital Regional Materno Infantil de Imperatriz, Maranhão.