Como encantar o meu bebê?

Como encantar o meu bebê?

Encantar um bebê é fácil! Em apenas 5 passos vamos ensinar você a encantar seu filho e trazer a você uma maternidade que não se vê em qualquer revista.

Então, vamos logo para o que interessa, vamos aprender a encantar?

1- Jogue fora todos os manuais, livros e revistas que não entendem, que um bebê não é um robô.

As crianças deixaram de ser comparadas a adultos em miniatura a muito tempo atrás, quando na idade média era comum se esperar de uma criança o comportamento de um adulto, mas apesar de tanto tempo de lá até aqui, ainda se espera que um bebê, perca o ritmo natural e comece a ter um comportamento X para que seja considerado normal, igual aos demais.

Mas é necessário, que a gente volte a entender, que se o bebê vem sem manual, é justamente para que a gente o entenda do modo que ele é, como ser único e capaz de trilhar sua própria história. Erramos quando comparamos, quando colocamos nele a fantasia de que pode ser igual a outro e que é possível moldar esse bebê sem causar danos a sua personalidade.

2- Fazer dormir a noite toda.

Como já saímos da idade média, e já sabemos que não podemos comparar um bebê a um adulto, começamos então a encantar o sono.

Comece quebrando a fantasia de que um bebê “precisa” dormir a noite toda, já ouviu falar do ritmo circadiano? Então, todos nós temos ele, a diferença que ele é diferente em bebês e adultos. Nós adultos, conseguimos controlar para dormirmos durante a noite e acordarmos durante o dia, e nos bebês esse ritmo não segue esse padrão, pois como ainda é imaturo, ele tende a regular- se  com o passar dos anos, ou seja, quando o bebê passa a ter maturidade para isso.

O relógio biológico, é o principal moderador e responsável por encantar essa maturidade, o que nos leva a crer que, cada relógio tem seu dono, e sendo assim, cada criança vai desenvolver seu ritmo. O relógio biológico do bebê, tem seu ponto de maturação iniciado por volta dos seis a nove semanas de vida. Ali começa o primeiro andar dos ponteiros, o que quer dizer que, até quatro ou cinco meses não estará completamente acertado, vai sofrer atrasos, vai parar, vai adiantar e vai funcionar de hora em hora, ou não.

Uma outra razão para encantar o sono, é entender que o bebê precisa desses despertares,  e esse sono espedaçado é normal. E por causa dele,  o bebê mantém sua sobrevivência, pois é mais fácil para ele detectar perigos e avisar quando algo o incomoda. E esse sono que parece conturbado para os adultos, está intrinsecamente ligado ao seu desenvolvimento cerebral e físico, que nessa idade acontece de forma gigantesca.

3- O Bebê, rei soberano da casa, encantar para não dominar a família.

Existe uma ideia, de que o bebê é um vingador do presente, que qualquer forma de interação feita entre ele e os pais, o tornará em um vingador do futuro, como assim?

O bebê precisa se educar para não ter a necessidade de colo, não precisar despertar a noite e dormir junto com os pais na mesma cama, é um crime. Essa é a ideia errada que a mídia passa para os pais, fragilizando ainda mais seus medos e culpas. Não caiam nessa!

Vamos exemplificar, para você entender como funciona na cabeça do bebê?

Imagine você, em um país diferente do seu, com uma língua desconhecida, conhecendo apenas duas pessoas que lhe representa total segurança. E que nesse país, você ainda não sabe como a cultura é regida. Sua comunicação se resume a gestos (choro) e tudo depende das outras pessoas entenderem o que você quer, lhe limitando a dar aquilo que acham que você precisa, afinal, se lhe derem demais o que você necessita para viver, você pode usar isso contra eles depois. 

É mais ou menos isso, que um bebê vive, muitos deles, ainda não se deram conta que nasceram, que sua forma limitada de comunicação, o choro, pode ser interpretada de forma errada, e qualquer quebra dessa rotina, vai fazer desse bebê um ser manipulador, que mesmo ainda não entendendo sua condição nesse mundo externo, vai ter a maturidade de manipular os adultos. (Não dê colo demais, ele vai te manipular, para não ficar no berço.) – é o que sempre ouvimos.

Sabemos que nenhum bebê manipula os adultos, se choram é por que alguma mensagem precisa ser passada, o que na grande maioria das vezes, nada tem a ver com sofrimento ou manipulação, tem a ver, com a segurança que os pais passam para ele nesse momento de transição cultural e também vivencial.

“Não existe nenhuma doença mental causada por um excesso de colo, de carinho, de afagos… Não há ninguém na prisão, ou no hospício, porque recebeu colo demais, ou porque cantaram canções de ninar demais para ele, ou porque os pais deixaram que dormisse com eles. Por outro lado, há, sim, pessoas na prisão ou no hospício porque não tiveram pais, ou porque foram maltratados, abandonados ou desprezados pelos pais. E, contudo, a prevenção dessa doença mental imaginária, o estrago infantil crônico, parece ser a maior preocupação de nossa sociedade.”

Trecho do livro “Un regalo para toda vida” do pediatra Dr. Carlos González.

4- Encantar para não chorar de fome na madrugada.

Até o sexto mês de vida o bebê deve, por recomendação da OMS, ser alimentado somente com leite materno exclusivamente e caso não seja amamentado, fórmula, o que nos leva a acreditar que esse bebê vai acordar sim com fome, e independente da forma que é alimentado, esse bebê vai ter outras necessidades e a principal delas, será a sobrevivência.

A alimentação noturna, é completamente normal até os 12 meses, e devemos reagir alimentando a criança, pois como sabemos, a maior parte da assimilação de conhecimento e aprendizado, se processa enquanto dormimos, mesmo que esse dormir seja espedaçado.

Sim!
Os bebês têm necessidade de leite.
Mas muito mais de ser amados
e receber carinho.

Trecho do livro “Shantala” de Frédérick Leboyer.

Mas por que meu bebê não dorme?

Seu bebê dorme, sim!
Comece a anotar as sonecas, o tempo de sono noturno e não caia na farsa de que pular soneca vai fazê-lo dormir melhor. Pois ao pular soneca, temos o efeito rebote, o famoso “efeito vulcânico do sono”, por que os bebês não tem a maturidade de entender que: estou com sono, vou deitar, ficar quieto, fechar o olhos e dormir.

Eles precisam de ajuda para entender esse processo, e é justamente aí que o bebê precisa está alimentado, fralda limpa e um ambiente calmo e confortável para que ele consiga entender, que chegou a hora de dormir e esse processo, só acontece quando ele acorda várias vezes e avisa que algumas dessas coisas não está acontecendo e assim ele não consegue dormir.

Para você ter ideia, um recém nascido dorme em média de 15 a 16 horas, dentro de 24 horas, e essa expectativa de tempo costuma durar até o primeiro ano de vida. Comece a anotar a rotina do sono e você verá que seu bebê dorme mais que você imagina. Mas anote, tendo em consideração que é apenas uma média, e não uma regra.

5- Para encantar é necessário entender.

Encantar de verdade, é entender!
Entenda como funciona o sono infantil, as etapas do sono, os picos de crescimento, sobre a importância da livre demanda, do ritual do sono e principalmente de como você, mãe, está se sentindo em relação a tudo isso.

Você, mãe e mulher, também precisa conhecer a sua rotina, aliviar as cargas e demandar tarefas aos demais habitantes da casa, não tem como fazer tudo sozinha, você precisa entender que a maternidade é sua, que a sua realidade não tem nada a ver com a realidade de outra mulher e que o que serve para ela, pode não servir para você, por isso que encantar, é entender que cada bebê e cada mãe são únicos e que devem ser tratados e amados como sua forma única de ser.

Ser levados, embalados, acariciados, pegos, massageados constitui para os bebês, alimentos
tão indispensáveis, senão mais, do que vitaminas, sais minerais e proteínas.
Se for privada disso tudo
e do cheiro, do calor
e da voz
que ela conhece bem,
mesmo cheia de leite, a criança vai-se  deixar morrer de fome.

Trecho do livro “Shantala” de Frédérick Leboyer.

O termo “encantar” usado no texto, foi usado de maneira simbólica, não tem nenhuma referência á doutrinação ou condicionamento do bebê como costuma ser usado.

Referencial teórico:

PANTLEY, Elizabeth. Soluções Para Noites Sem Choro – Para crianças de 0 a 1 ano. Tradução: Cássia Maria Nasser – São Paulo: M. Books, 2013.

FRÉDÉRICK, Leboyer. Shantala: massagem para bebês: uma arte tradicional. tradução: Luiz Roberto Benati e Maria Sílvia Cintra Martins – 5° ed – São Paulo: Ground, 1995.

Share This Post

Write a Comment!

Your email address will not be published. Required fields are marked *