Quais os benefícios da amamentação? - Mãe de Leite

Quais os benefícios da amamentação para a mãe?

Amamentação e os benefícios do aleitamento materno para a saúde das crianças, inclusive eu já falei sobre isso aqui. Mas a verdade é que a amamentação é algo tão maravilhoso que não poderia beneficiar apenas o bebê, sendo, portanto, uma via de mão dupla onde o bebê e a mãe são beneficiados e para completar fortalece o vínculo entre os dois.

Hoje, iremos aprender um pouco sobre os benefícios da amamentação para saúde materna. Os benefícios podem ser vistos logo no pós-parto imediato. Durante o trabalho de parto ocorre a liberação de um hormônio chamado ocitocina, também conhecido como o “hormônio do amor”, ele é responsável por estimular a contração uterina e acelerar o trabalho de parto, sua ação é estimulada e potencializada pela amamentação, pois o processo de sucção estimula sua liberação pela hipófise (glândula localizada na porção inferior do cérebro). A secreção de ocitocina reduz o tamanho uterino, auxilia na liberação da placenta e diminui o sangramento pós-parto, por estes e outros motivos é extremamente importante amamentar na primeira hora de vida do bebê. Além disso, causa atraso na menstruação e previne contra anemia.

A amamentação tem papel importante no aumento do intervalo interpartal, pois estudos demonstram que a amamentação, principalmente a amamentação exclusiva e em livre demanda, confere períodos mais longos de amenorreia (ausência de fluxo menstrual) e proteção quanto à gravidez.

O retorno ao peso pré-gestacional é algo muito almejado pelas mulheres, pois durante a gravidez acumulam-se reservas energéticas e a maioria das mulheres terminam a gestação com sobrepeso. A amamentação requer uma quantidade adicional de cerca de 500 calorias, fazendo com que o organismo gaste a energia acumulada na gestação. No entanto, a recuperação do peso pré-gestacional ocorre em tempo variável, estando associado ao período de amamentação, estudos de longo prazo mostraram diminuição de 1% do IMC médio para cada seis meses de amamentação.

Informações sobre a relação entre amamentação e adiposidade em longo prazo ainda são inconclusivas. Existem evidências que comprovam a associação inversa entre a amamentação e o  câncer de mama, cada incremento de 12 meses de amamentação diminui cerca de 4,3% a incidência de câncer de mama invasivo. A explicação para este fato seria a composição do leite materno rico em células de defesa, principalmente os macrófagos, que são responsáveis pela destruição das células neoplásicas.

A amamentação também confere proteção contra câncer de ovário, sendo este causado por traumas consecutivos de ovulações e proliferação de células malignas, devido ao fato da amamentação inibir a ovulação por um período atuaria como fator preventivo. Há ainda alguns estudos que associam a amamentação como fator preventivo no desenvolvimento de diabetes tipo 2, mecanismos ainda não elucidados.

O ato de amamentar pode ser extremamente desgastante física e mentalmente para a mãe, culminando em privação de sono e cansaço, fatores que muitas vezes levam ao desmame precoce. Esta situação gera sentimentos contraditórios, o desejo de amamentar versus o peso que esta doação extrema representa na vida da mulher.

Porém com o apoio necessário, seja de familiares ou profissionais, esta situação pode ser superada rapidamente. Quando a amamentação se estabelece as mães apresentam menor grau de tristeza e depressão pós-parto, a autoestima se eleva e torna-se motivo de orgulho. A mulher que amamenta se sente realizada, estabelecendo uma relação profunda com seu filho, sentindo-se satisfeita por ser capaz de nutrir a sua cria com alimento e afeto.

Referencial teórico:

REA, Marina F. Os benefícios da amamentação para a saúde da mulher. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, 2004; 80(5 Supl): S142-S146.

TOMA, Tereza S.; REA, Marina F. Benefícios da amamentação para a saúde da mulher e da criança: um ensaio sobre as evidências. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24 Sup 2: S235-S246, 2008.

VICTORA, Cesar G.; BARROS, Aluísio J. D.; FRANÇA, Giovanny V.A; BAHL, Rajiv; ROLLINS, Nigel C. ; HORTON, Susan et al. Amamentação no século 21: epidemiologia, mecanismos, e efeitos ao longo da vida. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, 2016.

Share This Post

Write a Comment!

Your email address will not be published. Required fields are marked *